L

u of Magalu, Any Malu, and Nobody Sausage are among the top 10 most followed virtual influencers in the entire world. Collectively, they entertain over 40 million followers across social media platforms. What do these famous virtual influencers all have in common? They hail from Brazil.


Upon noticing a trend where multiple famous virtual influencers had ties to Brazil, as well as a tendency for other famous virtual influencers to frequent Brazil in their scripted travels, we decided to take a closer look at the country’s impact on the industry at large.


Miquela Sousa, one of the most famous virtual influencers in the United States, is an LA-based, Brazilian model known to release her music in both English and Portuguese. The unofficial Samsung Sam, who went viral unexpectedly earlier this year, was created by international production house Lightfarm Studio, located in Brazil. Crazynho, a sensational, virtual monkey with more than 600,000 followers on TikTok, brags about living in Sao Paulo next to Brazilian soccer superstar Dani Alves. The list goes on and on.


So, why Brazil? Why are virtual influencers so popular in the country, and why do so many originate from the region?


From our research, we discovered two main events driving the relevance of Brazil in the virtual influencer industry:

1. The creation of virtual, Brazilian icon Lu de Magalu in 2003.

2. A 2011 Brazilian law regulating audiovisual communication, supporting the growth of 3D artists and animators.


Let's dive into how the combination of Lu of Magalu’s influence as one of the world’s first popular virtual spokespersons, in addition to the 2011 law, propelled the development of the Brazilian animation industry––ultimately laying a foundation for the virtual influencer industry at large. First...


The Origin Story of Lu of Magalu

Image of Lu of Magalu smiling
Image from Lu of Magalu

This virtual’s first name is simply “Lu,” and Magalu is a portmanteau of “Magazine Luiza.” Lu’s story traces back to 2003 when Frederico Trajano, CEO of Magazine Luiza, decided his Brazilian retail conglomerate of more than 12 brands needed a face or mascot for their new virtual store. The Luiza brand was well-known for selling appliances and electronics, so a virtual influencer seemed like the best fit to represent this exciting new technology.


Originally, Trajano created Lu to fill the void of an in-store salesperson for Luiza’s e-commerce websites, but over time her role expanded into that of an actual influencer. In 2007, Lu started her YouTube channel where she gave tutorials about technology that people could purchase from Magazine Luiza. Lu quickly became a Brazilian icon during a time when nobody was talking about virtual influencers.


Fast-forward over a decade to 2021: Lu is now one of the most popular virtual influencers in history, boasting an impressive 25 million fans across all major social media platforms. Insiders at Luiza have admitted that Lu of Magalu is one of their most valuable assets. Lu gave a face to a billion dollar brand that encouraged people to engage with Magalu’s products, from her unboxing videos to her technology tips, and more. Most importantly, Lu proved a virtual influencer as a brand spokesperson was a viable and successful model for other businesses to follow.


Her success set the stage for a 2011 law that kickstarted the Brazilian animation industry, which brings us to the second reason why so many virtuals emerge from Brazil:


Brazil's 2011 Law: No. 12.4

In September of 2011, the Brazilian government passed Law No. 12.485 to regulate and strengthen the growing media entertainment industry in Brazil. The new law gave special priority to children’s animation produced by Brazilian studios to usher in a new era of popular shows such as Mundo Ripilica and Taina and the Amazon’s Guardians.

Image of Taina and the Amazons Guardians
Image from Hype Animations

The effects of the law were immediately realized, spurring the rapid growth of the Brazilian animation industry. From 2013 to 2018, Brazilian studios produced 19 animated movies, almost 45% of the historical production in the country. The Annecy International Animation Film Festival even gave awards for two animated movies (Rio 2096 and Boy and the World) from Brazil in 2013 and 2014.

Image from Rio 2096
Scene from Rio 2096

The federal and regional governments of Brazil understood the animation industry could act as an economic driver, creating thousands of new jobs for people all over the country. This animation boom propelled the founding of new independent production companies that built amazing technical teams to develop their content. In addition, many of them partnered with international studios that put the new characters from Brazil on a worldwide stage.  


The beloved Roger Magrini shared his opinions on how these production companies transitioned to develop virtual influencers. Magrini is a 3D artist based in Brazil, specializing in photorealistic characters.

“[...] Brazil is mostly strong on advertisement. There are a few companies that focus more on VFX for feature films, and I hope the Brazilian movie industry grows bigger! For characters, I’ve seen a lot of cartoon characters, and not so much on the realistic side of things. Maybe with this amazing virtual human trend, realistic characters might be on the radar for the near future!” -Roger Magrini

Eventually, these studios developed the capacity and interest to delve into the world of virtual influencers, the natural evolution.


In 2015, Any Malu became one of the first virtual influencers with a vlog when she created her YouTube channel. Her outgoing personality and hot pink character design made her an instant hit among Brazilian children. Five years later, she was invited to create her own Cartoon Network show called The Any Malu Show. Now she is one of the few virtual influencers with a transmedia presence across the Internet and cable TV, with a combined audience of over five million followers across multiple social platforms.

Image of the Any Malu show on Cartoon Network
Image by Any Malu

In 2016, the Brazilian-American virtual influencer Miquela Sousa took the Internet by storm and became Instagram’s biggest mystery when she began cryptically posting her computer-generated selfies. Now she’s a celebrity with over six million followers and celebrates her Brazilian heritage by releasing music in both English and Portuguese.

Finally, in 2020 the New Zealand animation studio Lightfarm opened an office in Brazil to capitalize off the growing animation industry in that area. Their prototype for a virtual being AI-assistant called Samsung Sam went viral after Twitter users discovered the designs on Lightfarm’s website. Despite their history of working with virtual influencers such as Lu (who appeared in a recent music video advertising a new Galaxy phone), Samsung has not yet adopted Sam as an official virtual brand spokesperson.

Image of Samsung Sam from Lightfarm
Image by Lightfarm

Over the course of 10 years, Brazil has become the birthplace to several of the world’s most popular virtual influencers. In 2003, Lu of Magalu became one of the first virtual influencers in Brazil and redefined what it means to be a brand ambassador. Her popularity and influence demonstrated the growing animation industry in Brazil which was supported by the passing of the 2011 law. Since then, numerous virtual characters such as Any Malu and Miquela Sousa have become popular both within and outside of Brazil.


It’s time for the virtual industry to recognize the South American country as one of the biggest players in the virtual art space that drives innovation and imagination forward. As the animation industry continues to grow in Brazil, so will the number of virtual influencers we see emerge from there, and in turn inspiration for virtual influencers around the world.


We’re excited to meet the next great virtual influencer to come from Brazil!

Share this article on LinkedIn.

——

Article available in Portuguese:

Por que os influenciadores virtuais são tão populares no Brasil

Aprenda a história de como uma lei de mídia brasileira de 2011 ajudou a criar alguns dos maiores influenciadores virtuais do mundo.


Lu do Magalu, Any Malu e Nobody Sausage estão entre os 10 influenciadores virtuais mais seguidos em todo o mundo. Juntos, eles entretêm mais de 40 milhões de seguidores em plataformas de mídia social. O que todos esses famosos influenciadores virtuais têm em comum? Eles vêm do Brasil.


Ao notar vários influenciadores virtuais famosos com laços com o Brasil, bem como outros influenciadores virtuais famosos que frequentam o Brasil em suas viagens roteirizadas, decidimos dar uma olhada no impacto do país na indústria. Como e por que tantos influenciadores virtuais vêm do país?


Miquela Sousa, uma das influenciadoras virtuais mais famosas dos Estados Unidos, é uma modelo brasileira de Los Angeles conhecida por lançar sua música em inglês e português. A não oficial Samsung Sam, que se tornou viral inesperadamente no início deste ano, foi criada pela produtora internacional Lightfarm Studio, localizada no Brasil. Crazynho, o macaco virtual sensação do TikTok com mais de 600.000 seguidores, se gaba de morar em São Paulo ao lado do superastro do futebol brasileiro Dani Alves.


Então, por que Brasil? Por que os influenciadores virtuais são tão populares aqui e por que tantos são originários especificamente deste país?


A partir de nossa pesquisa, descobrimos dois eventos principais que impulsionam a relevância do Brasil na indústria de influenciadores virtuais:

1. A criação da mulher brasileira virtual e ícone Lu do Magalu em 2003 (sim, você leu corretamente: 2003!).

2. A lei de 2011 que regulamenta a comunicação audiovisual, apoiando o crescimento da animação e dos artistas 3D no Brasil.


Vamos explorar como a combinação da influência da Lu do Magalu como uma das primeiras porta-vozes virtuais populares do mundo, além da lei de 2011, impulsionou o desenvolvimento da indústria de animação brasileira — por fim estabelecendo uma base para a indústria de influenciadores virtuais, em geral. Primeiro...


A história da origem da Lu do Magalu

Photo of Lu of Maglu smiling
Imagem por Magalu

O primeiro nome é simplesmente “Lu,” e Magalu é uma aglutinação de “Magazine Luiza”. A história da Lu começou em 2003, quando Frederico Trajano, CEO da Magazine Luiza, decidiu que seu conglomerado de varejo brasileiro de mais de 12 marcas precisava de um rosto ou mascote para sua nova loja virtual. A marca Magazine Luiza era conhecida por vender eletrodomésticos e eletrônicos, então um influenciador virtual parecia a melhor opção para representar essa impressionante nova tecnologia.


Originalmente, Trajano criou a Lu para preencher o vazio de uma vendedora na loja dos sites de e-commerce do Magazine Luiza, mas com o tempo seu papel se expandiu para o de uma influenciadora real. Em 2007, Lu iniciou seu canal no YouTube, onde dava tutoriais sobre tecnologia que as pessoas podiam comprar no Magazine Luiza. A Lu rapidamente se tornou um ícone brasileiro em uma época em que ninguém falava sobre influenciadores virtuais.


Avançando mais de uma década até 2021: A Lu é agora uma das influenciadoras virtuais mais populares da história, ostentando impressionantes 25 milhões de fãs em todas as principais plataformas de mídia social. Insiders do Magazine Luiza admitiram que a Lu do Magalu é um de seus ativos mais valiosos. A Lu deu um rosto a uma marca de um bilhão de dólares que incentivou as pessoas a se envolverem com os produtos do Magalu, desde seus vídeos de unboxing até dicas de tecnologia, e muito mais. Mais importante ainda, a Lu provou ser uma influenciadora virtual, como porta-voz da marca, um modelo viável e bem-sucedido a ser seguido por outras empresas.


Seu sucesso preparou o cenário para uma lei de 2011 que deu o pontapé inicial na indústria de animação brasileira, o que nos leva ao segundo motivo pelo qual tantos influenciadores virtuais surgiram do Brasil:

Lei da Animação Brasileira de 2011

Em setembro de 2011, o governo brasileiro aprovou a Lei n.º 12.485 para regular e fortalecer a crescente indústria de entretenimento de mídia no Brasil. A nova lei deu prioridade especial à animação infantil produzida por estúdios brasileiros para inaugurar uma era de programas populares como Mundo Ripilica e Tainá e os Guardiões da Amazônia.

Tainá e os Guardiões da Amazônia
Imagem por Hype Animation

Os efeitos da lei foram imediatamente percebidos, estimulando o rápido crescimento da indústria brasileira de animação. De 2013 a 2018, os estúdios brasileiros produziram 19 filmes de animação, quase 45% da produção histórica do país. O Festival Internacional de Cinema de Animação de Annecy ainda premiou dois filmes de animação (Rio 2096: Uma História de Amor e Fúria e O Menino e o Mundo) do Brasil em 2013 e 2014.

Cena de Rio 2096: Uma História de Amor e Fúria
Cena de Rio 2096: Uma História de Amor e Fúria.

Os governos federal e regional do Brasil entenderam que a indústria da animação poderia atuar como um motor econômico, criando milhares de novos empregos para pessoas em todo o país. Este boom na animação impulsionou a fundação de novas produtoras independentes que formaram equipes técnicas incríveis para desenvolver seu conteúdo. Além disso, muitos deles firmaram parcerias com estúdios internacionais que colocaram os novos personagens do Brasil em cena mundial.

O adorado Roger Magrini compartilhou suas opiniões sobre como essas produtoras fizeram a transição para desenvolver influenciadores virtuais. Magrini é um artista 3D radicado no Brasil, especializado em personagens fotorrealistas.

Magrini disse: “[...] o Brasil é mais forte na publicidade. Existem algumas empresas que se concentram mais em VFX para longas-metragens, e espero que a indústria do cinema brasileira cresça ainda mais! Para personagens, eu vi muitos personagens de desenhos animados, e não tanto do lado realista das coisas. Talvez com esta incrível tendência humana virtual, personagens realistas possam estar no radar em um futuro próximo!”

Eventualmente, esses estúdios desenvolveram a capacidade e o interesse de mergulhar no mundo dos influenciadores virtuais, a evolução natural.

Em 2015, Any Malu se tornou uma das primeiras influenciadoras virtuais com um vlog ao criar seu canal no YouTube. Sua personalidade extrovertida e o design rosa choque de sua personagem fizeram dela um sucesso instantâneo entre as crianças brasileiras. Cinco anos depois, ela foi convidada a criar seu próprio programa no Cartoon Network, chamado Any Malu Show. Agora ela é uma das poucas influenciadoras virtuais com presença transmídia na Internet e na TV a cabo, com uma audiência combinada de mais de cinco milhões de seguidores em várias plataformas sociais.

O Surreal Mundo de Any Malu
Any Malu - Cartoon Network Show

Em 2016, a influenciadora virtual brasileiro-americana Miquela Sousa conquistou a Internet e se tornou o maior mistério do Instagram quando começou a postar suas selfies geradas por computador de forma criptografada. Agora ela é uma celebridade com mais de seis milhões de seguidores e celebra sua herança brasileira lançando músicas em inglês e português.

Finalmente, em 2020, o estúdio de animação neozelandês Lightfarm abriu um escritório no Brasil para capitalizar a crescente indústria de animação nessa área. Seu protótipo para um ser virtual assistente de IA chamado Samsung Sam se tornou viral depois que os usuários do Twitter descobriram os designs no site da Lightfarm. Apesar de sua história de trabalho com influenciadores virtuais como a Lu (que apareceu em um vídeo musical recente anunciando um novo smartphone Galaxy), a Samsung ainda não adotou Sam como porta-voz oficial da marca virtual.

Samsung Sam por Lightfarm
Samsung Sam

Ao longo de 10 anos, o Brasil se tornou o berço de vários dos influenciadores virtuais mais populares do mundo. Em 2003, a Lu do Magalu se tornou uma das primeiras influenciadoras virtuais no Brasil e redefiniu o que significa ser um embaixador da marca. Sua popularidade e influência demonstraram o crescimento da indústria de animação no Brasil, apoiado pela aprovação da lei de 2011. Desde então, inúmeros personagens virtuais como Any Malu e Miquela Sousa se popularizaram dentro e fora do Brasil.


É hora da indústria virtual reconhecer o país sul-americano como um dos maiores players no espaço de arte virtual que impulsiona a inovação e a imaginação. À medida que a indústria da animação continua a crescer no Brasil, também aumentará o número de influenciadores virtuais que vemos emergir de lá, e por sua vez, inspiração para influenciadores virtuais em todo o mundo.


Estamos animados para conhecer o próximo grande influenciador virtual que virá do Brasil!

Join the Discussion
Subscribe

Subscribe to get industry insights via email.

Okay, great! We will send you insights over time.
Oops! Something went wrong while submitting the form.
Concepts Discussed
Send us a Message!
By sending, you agree to receive emails from our team.
Got it. We'll be in touch!
Use LinkedIn? Reach out!
Oops! Something went wrong while submitting the form.